Notícias

  Início :: Notícias

 Maratona de cartas 2020


As Bibliotecas Escolares do Agrupamento de Escolas de VRSA abraçaram o Projeto "A Maratona de Cartas", sendo este considerado o maior evento de direitos humanos.

Assim sendo, desafiamos todas as pessoas a assinarem as petições em defesa dos seis ativistas em risco.

- Jani Silva, da Colômbia, nasceu na Amazónia Colombiana e dedicou a sua vida à defesa das árvores, das terras e do ecossistema fundamental às nossas vidas, mas, por defender este território, encontra-se em perigo de vida.

- Melike Balkan e Orzur Gur, estudantes de Biologia na Turquia dedicam-se a defender os direitos LGBTI+ na sua Universidade. Agora, por defenderem esta causa, arriscam-se a ser presos com outros colegas.

- Nassima al-Sada, da Arábia Saudita, fez campanha pela liberdade das mulheres no seu país e , por isso, encontra-se detida desde 2018. Na prisão, foi vítima de maus tratos e colocada numa pequena cela solitária durante um ano.

- El Hiblu 3, são três jovens de Malta que, num navio de resgate de migrantes e refugiados no mar Mediterrâneo, agiram como intérpretes a bordo. Agora, arriscam-se a ser presos.

- Paing Phyo Min é um jovem que faz parte de um grupo de poesia satírica no Myanmar. Por ter criticado um grupo de militares do seu país durante uma das suas atuações, foi condenado a seis anos de prisão. Encontra-se numa prisão sobrelotada e com elevados riscos de Covid-19. 

- Germain Rukuki, do Burundi, defensor dos direitos humanos, foi acusado, devido ao seu trabalho nesta área, e condenado a 32 anos de prisão. Encontra-se preso numa prisão sobrelotada no seu país.

Concluindo, as assinaturas são recolhidas de forma online, até ao dia 31 de janeiro de 2021, e, posteriormente, impressas e entregues às respetivas autoridades pela Amnistia Internacional, o que evita a impressão de milhares de folhas de papel. 

QUANTOS MAIS PARTICIPAREM MELHOR! ... 

Falem com os vossos amigos, familiares e conhecidos.

O nosso código de participação é o XZHE.

A Escola que mais assinaturas recolher contará com a visita de um elemento da Amnistia Internacional.

Se desejares, redige, como forma de pressão, uma carta pessoal em defesa de uma destas situações e encaminha-a para uma das Bibliotecas Escolares do Agrupamento. 

Nós iremos reencaminhá-la para a Amnistia Internacional e, por sua vez, esta organização irá proceder ao seu reenvio para a respetiva embaixada.